General Walter Souza Braga Neto, interventor federal que comandará a Segurança no Estado do Rio de Janeiro até 31/12/2018

Todos lembram que antes do recesso do Legislativo Federal o governo anunciava para a segunda-feira dia 19 de fevereiro a votação da Reforma da Previdência.

No entanto o que será votado na segunda-feira, 19/02, e na terça 20/02, no Congresso Nacional é o Decreto de Intervenção Federal à área de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro.

A Constituição Federal não permite receber emendas, como a que propõe a Reforma da Previdência, enquanto qualquer dos estados brasileiros estiver sob intervenção, conforme disposto no parágrafo 1º do Art. 60:

“§ 1º A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio.”

Temer anunciou em rede nacional de TV, na sexta, 16/02, o Decreto de Intervenção no Estado do Rio de Janeiro

Para votar a Reforma da Presidência agora o Presidente terá que suspender a Intervenção no Rio, possibilidade que ele aventou durante o anúncio do Decreto: “Quando ela estiver para ser votada, segundo avaliação das casas legislativas, eu farei cessar a intervenção. No instante que se verifique, segundo critérios das casas legislativas, que há condições para a votação, reitero, farei cessar a intervenção”, disse Temer.

Ora se é para decretar a Intervenção e daqui a algumas semanas revogá-la, pra que decretá-la? Mais racional e lógico seria aprovar a Reforma da Previdência até o final de fevereiro e em março decretar a intervenção.

Decretar a Intervenção Federal na Segurança do Rio de Janeiro neste momento, justo quando a Reforma da Previdência deveria estar entrando em processo de votação,  é admitir, nas entrelinhas, que não acredita mais na possibilidade dela conseguir o quórum necessário para ser aprovada. Ou seja, a ‘Reforma da Previdência’ está morta e enterrada.

Sendo assim, o marketing do governo federal daqui pra frente será a Intervenção Federal na Segurança do Rio, na qual Temer aposta todas as suas fichas, para melhorar seus índices de popularidade e acalentar a possibilidade de uma candidatura à reeleição.

General Walter Souza Braga Neto, interventor federal que comandará a Segurança no Estado do Rio de Janeiro até 31/12/2018

COMENTÁRIOS