Uma missa na Igreja de São Jorge no sábado, 07/04, à tarde, comemorou os 25 anos de existência da Creche do Iensa – Instituto de Educação Nossa Senhora de Aparecida, ex- Cecamam.

Há 25 anos, em abril de 1993, a professora e religiosa Regina Brito, tratada carinhosamente por todos como Tia Regina, começou uma obra que parecia impossível aos olhos dos homens: ela fundou a creche comunitária que batizou de CECAMAM e hoje denomina-se Iensa.

Sem recursos, contando somente com o espaço cedido pelo Padre na Igreja de São Jorge, no bairro Vila Tarumã, em Queimados, duas salinhas num galpão, e com algumas voluntárias, ela iniciou os trabalhos com apenas dois adolescentes. Um mês depois já eram 25 (vinte e cinco), alguns anos depois a cheche chegou a comportar mais de 300 alunos.

A inspiração para criar a creche veio de um episódio que marcou profundamente a alma de Tia Regina. Ela trabalhava num abrigo de menores infratores, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro e, amorosa com todos, se apegava afetivamente a muitos daqueles jovens. Eis que um dia um deles desapareceu, deixando a todos apreensivos. Quinze dias depois ele foi encontrado morto, com o corpo picado em pedaços dentro de um saco.

Esse episódio traumatizante levou Tia Regina a chamar pra si a missão de educar e amparar jovens adolescentes e crianças, preparando-os para uma vida digna. E assim o fez, até o último dia de sua vida. Ela faleceu em maio de 2015.

Penha Aparecida de Brito Souza Silva, a Cida, sobrinha que desde o primeiro dia aderiu ao projeto da creche comunitária fala com orgulho do trabalho feito: “Ao longo desses 25 anos mais de 3.200 crianças e adolescentes foram beneficiados pela Creche. Muitas dessas crianças já são mães, pais. Muitos exercem hoje profissões importantes, uns estão nas forças armadas, tem farmacêuticos, tem médicos… ”

Referindo-se às dificuldades atualmente enfrentadas pela Creche, a fundadora e ex-presidente da Creche, Cida, desabafou: “A única coisa que deixava a Tia Regina triste é a falta de comprometimento da Prefeitura com a gente. A gente faz um trabalho humanitário, que não é reconhecido. A gente percebe claramente que eles não valorizam nosso trabalho. Às vezes a gente até incomoda…”

A atual presidente da Instituição, Lúcia de Fátima Tadeu Sínis, a Lucinha, que está na Creche desde 1994, diz que os colaboradores da creche são movidos a amor: “A gente tenta levar o trabalho dela à frente, com aquele mesmo carisma do amor, da dedicação, da partilha do pão que era uma coisa muito forte para a tia Regina.”

“Quando faltava alguma coisa na creche – diz Lucinha – ela falava comigo ‘não se preocupa que Deus proverá’ e no outro dia o alimento estava lá na creche. Tia Regina tinha uma fé inabalável. E isso ela passou pra nós. E a gente acredita que toda a dificuldade que a gente está passando vai acabar. Ela colocava sempre Deus em primeiro lugar, e nós também colocamos. E nós acreditamos que Deus vai dar solução pra esse problemão todo que estamos vivendo”, disse a Presidente, se referindo a impasses burocráticos existentes na Prefeitura para liberação de recursos para o IENSA.

Viviane, uma das mais novas colaboradoras da Creche, que chegou à IENSA no início deste ano, se mostra entusiasmada com o trabalho voluntário que assumiu: “A primeira vez que ouvi a história da Tia Regina eu me emocionei. É difícil você encontrar uma pessoa que se doe tão completamente para os outros hoje em dia. E foi isso que Tia Regina fez. A gente consegue ver os frutos. Isso me sensibilizou e eu tenho ajudado como posso e quero ajudar cada vez mais. A creche precisa de pessoas com coração aberto pra se doar…Muita gente de Queimados que pode ajudar a creche não ajuda porque não conhece o trabalho… Gente, venha conhecer a Creche do Iensa …”

O aniversário reuniu colaboradores, alunos, ex-alunos, pais de alunos numa animada confraternização após a missa.

 


COMENTÁRIOS