O Instituto de Educação Nossa Senhora de Aparecida (IENSA) localizado na Vila Scintila, em Queimados,  fundado há 25 anos pela professora e religiosa Regina Brito e que atualmente atende 129 crianças, anunciou que fechará as portas de sua Creche nesta sexta-feira, 25/05, por tempo indeterminado, por falta de repasses da Prefeitura.

A creche, que faz parte da história de muitos queimadenses e é reconhecida pela qualidade de seu ensino, passa frequentemente por dificuldades financeiras por conta de impasses junto à Prefeitura que faz exigências muitas vezes descabidas para repasse dos recursos federais a que a Creche tem direito. Dessa vez, há mais de 4 meses a Creche não recebe um centavo da Prefeitura e por isso não tem mais condições de continuar suas atividades com as crianças.

Não é a primeira vez que um episódio como esse acontece. Em 2016, por conta de uma falha da Secretaria de Educação na renovação do contrato de pagamento mensal, a instituição ficou a deriva financeiramente durante 8 meses, fazendo com que a creche fechasse suas portas, só reabrindo depois de superado o impasse criado pela Prefeitura.

Com o contrato expirado, um novo acordo foi feito em agosto de 2017, porém o novo trato só garantiu 4 meses de recursos à Instituição. Desde então, o IENSA vem tentando se manter de pé sem o apoio do poder Municipal.

De acordo com parecer da Controladoria Geral do Município – CGM, a instituição encontra-se impossibilitada de assinar novo termo de colaboração com o Município de Queimados, até que sejam sanadas as exigências das prestações de contas anteriores.

A porta-voz da IENSA nos conta que a Prefeitura tinha feito uma única exigência: a constituição de uma Comissão Fiscalizadora dos gastos e que o pedido foi atendido pela Creche. O que a Direção não esperava era que essa única exigência se multiplicasse em tantas outras que foram despejadas somente nesses últimos meses e usadas como argumento para o corte de verba.

A Prefeitura também exige um reembolso por parte da escola de uma quantia de dinheiro que teria sido usada indevidamente. Essa quantia, segundo a direção do IENSA, foi utilizada para o pagamento de juros decorrentes do pagamento de uma conta de luz depois da data de vencimento, devido às dificuldades financeiras que passava por falta dos repasses da própria Prefeitura.

A escola já está encaminhando um processo minucioso ao Ministério Público, esclarecendo toda a situação.

Pais e professores, que acompanham de perto a situação, foram informados do fechamento da creche em uma reunião na segunda-feira, 21/05. Indignados, eles fazem manifestação  nesta sexta, 25/05, em frente à sede da Secretaria Municipal de Educação, exigindo uma solução que permita a reabertura da Creche.

COMENTÁRIOS