Ficha Técnica: Produção Geral: Doctor Produtora Produção Musical: Doctor Music Mixagem/Masterização: Heitor Martins Captação de voz: Heitor Martins Beat: Prod. Just Sickk (Beat Use Free) Letra: Matthews Camilo e Lucas Ferreira Artistas: Lucas Ferreira e Matthews Camilo Filmagens: Marcelo Alves e Matthews Camilo Edição/Cor e Finalização: Matthews Camilo Participação: Ronny, VagaBeat, Marcelo Alves (Mini Doctor), Michel Hype, Edmar Hype, Lukas Hype, PL, Bonecão, Leozin e David Pacheco. Local: Praça do Skate de Queimados-RJ
Lucas Ferreira e Matthews Camilo no Portal Queimados

No dia 22/06, o grupo queimadense “Os Doctors” lançou o seu clipe “Pique Pirata” nas plataformas digitais. Com menos de 1 mês, o clipe já tem mais de mil visualizações, reacts e aprovação do público. O clipe foi  produzido por Matthews Camilo, através de sua produtora ‘Doctor Produtora‘ (Vila do Tinguá, Queimados) que também compôs a letra juntamente com Lucas Ferreira. Para conferir, basta clicar aqui.

A ideia do vídeo foi trazer uma nova perspectiva no olhar dos espectadores a respeito de  um cenário do cotidiano queimadense, transformando algo tão comum e de uso público, como a Praça do Skate, em algo totalmente novo.

O visual urbano da praça foi escolhido por, além de ser uma área de lazer conhecida pelo público, o que causaria reconhecimento imediato, é um local que sedia vários eventos que abrem espaço para a cultura do Rap em Queimados, como o festival Batidas e Rimas o qual Lucas e Matthews são frequentadores assíduos e onde e pretendem um dia se apresentar, que já realizou uma de suas edições nesse mesmo lugar.

Cena do clipe “Pique Pirata”.

A valorização do rap na Baixada é algo que Os Doctors tem prezado desde a idealização do seu canal e composição das primeiras letras, que prometem ser lançadas em breve. Eles dizem estar abertos a parcerias, projetos sociais e quem sabe até para a produção de eventos culturais. “O canal é uma família aberta a pessoas ligadas a esse estilo musical, que participam de rodas de rimas e curtem rap no geral, nós não somos fechados. […] Nós só queremos levantar o nome da Baixada na cena do Hip Hop”, explica Matthews.

Como todo artista iniciante, Os Doctors lidam com a dificuldade do apoio, tanto do município que, mesmo afirmando que a maior parte do esforço tem que partir do próprio artista, quanto de alguns membros da própria família. Na visão deles, os órgãos públicos não tem incentivado jovens talentosos que querem ingressar nesse meio, e isso também dificulta receber apoio de alguns membros da família por se sentirem um pouco estigmatizados. Porém, o grupo encontra força nos amigos que os encorajaram desde antes do projeto virar realidade e muitos fizeram questão de participar da gravação.

Making off do clipe “Pique Pirata”.

Ainda que o rap tenha conquistado espaço e se popularizado nesses últimos anos, Matthews conta que o estilo musical ainda é muito marginalizado, tanto que mesmo com mais de mil visualizações, ainda não mostrou para toda sua família. Ao contrário de Lucas, que mesmo sem a aprovação de alguns quanto ao estilo musical, deu orgulho até aos mais tradicionais “até minha avó me mandou uma mensagem, disse: ‘ah, eu gostei, só não gosto muito desse tipo de música’. Umas pessoas que eu nunca imaginei que fossem aceitar, porque não costumam ouvir rap, já estavam até cantando!”.

Quando perguntados de seus objetivos e sonhos na carreira, Lucas não hesita “quando você estabelece um ponto, você se restringe aquilo, mas muita coisa pode acontecer no caminho. Por isso que eu prefiro deixar as coisas só acontecerem”, já Matthews é mais específico “meu maior objetivo é gerar emprego, colocar comida no prato das pessoas que trabalham comigo. Não me importa se eu me apresentar em Japeri ou nos Estados Unidos, botando um prato na mesa de uma família, pra mim já está sendo importante, já fez a diferença”.

Cena do clipe “Pique Pirata”.

Para ambos, música e educação andam juntos e a Baixada carece de acessibilidade a esses dois elementos, o que é mais um contribuinte para a marginalização e não-compreensão de mensagens tão importantes passadas em meio aos beats, segundo Matthews “muitas pessoas não entendem o rap porque na maioria das vezes ele é construído por metáforas. Por exemplo, um clipe que aparece bebidas, por trás pode significar outra coisa”, ao que complementa Lucas “As vezes as pessoas não gostam porque não escutam, ouvem mas não ESCUTAM, há diferença.  O rap é muita interpretação de texto, isso eu tento colocar muito nas minhas letras, e se você não souber interpretar, tudo o que você escutar ali vai ser ruim”.

Os jovens artistas levam como referência que os impulsionaram artistas como Eminem, Racionais, Chris Brown, Djonga, Froid, Marechal, o trapper de fortaleza Matuê e muito mais, mas deixam claro que também se inspiram em artistas e projetos da Baixada, como o Instituto Enraizados, uma instituição de Nova Iguaçu que funciona como agente de transformação social por meio do Hip Hop.

Os Doctors estão a todo o vapor e já adiantam que dentro de 15 dias está previsto o lançamento de mais um clipe, com artista e cenário queimadense, cumprindo a meta de um clipe por mês.

Ficha Técnica:
Produção Geral: Doctor Produtora
Produção Musical: Doctor Music
Mixagem/Masterização: Heitor Martins
Captação de voz: Heitor Martins
Beat: Prod. Just Sickk (Beat Use Free)
Letra: Matthews Camilo e Lucas Ferreira
Artistas: Lucas Ferreira e Matthews Camilo
Filmagens: Marcelo Alves e Matthews Camilo
Edição/Cor e Finalização: Matthews Camilo
Participação: Ronny, VagaBeat, Marcelo Alves (Mini Doctor), Michel Hype, Edmar Hype, Lukas Hype, PL, Bonecão, Leozin e David Pacheco.
Local: Praça do Skate de Queimados-RJ



COMENTÁRIOS