“Queimados tem seis sedes da Secretaria de Saúde, mas não tem hospital público”, com esta manchete a Rede Globo, através do RJTV 2, iniciou a edição da noite do telejornal de ontem (10/7).

A matéria relata que a secretaria de saúde de Queimados mantém seis imóveis para abrigar sua estrutura burocrática. Afirma, ainda, que os custos desses aluguéis saem a um valor maior que R$ 50 mil mensais. Um dos maiores enfoques da reportagem é o valor do galpão, alugado em outubro de 2017 para a instalação dos setores administrativos da secretaria, R$ 19 mil por mês. Na entrevista a secretária municipal de saúde, Dra. Lívia Guedes, declara não ter ainda todos os setores funcionando em sua totalidade no galpão desde novembro/2017, por conta do fornecimento de energia elétrica, que foi solicitada à Light desde então, sendo somente atendida em maio deste ano. Ao final da matéria, o RJTV 2 informa que, segundo a prestadora de serviços, o primeiro pedido de ligação de energia para o galpão foi realizado em 26 de abril de 2018. Ou seja, seis meses depois que a prefeitura fez a locação do imóvel. A Light realizou a concessão de fornecimento de energia em junho/2018.

Em entrevista ao Portal, a secretária de saúde, nega a informação dada pela concessionária de energia e encaminha os protocolos com data de novembro de 2017.

Dra. Lívia Guedes – secretária de saúde – Queimados/RJ

Dra. Lívia alega que a decisão de centralizar os setores burocráticos da saúde se deu por entender que a secretaria estava fragmentada e isso atrapalhava o andamento dos processos. “ A saúde era toda fragmentada. O gabinete, por exemplo, era no prédio da prefeitura e o Fundo Municipal de Saúde, no qual a gestora sou eu, ficava do outro lado da cidade. Então, às vezes eu tinha que fazer vistas a uma movimentação bancária, tinha que assinar algum documento da parte financeira da saúde, eu tinha que me locomover para o outro lado da cidade. Pensei em colocar toda a parte burocrática em um só local para poder otimizar o serviço, para poder dar celeridade aos processos, essa foi a intenção” declara a secretária.

 

Em nota, encaminhada ao Portal, a secretária dá mais esclarecimentos:

A matéria do RJTV desta terça-feira sobre o sistema de saúde de Queimados merece correções por não retratar a verdade. A saber:

 1) Houve desonestidade jornalística ao apresentar aos telespectadores a informação de que o município tem uma enorme estrutura burocrática para administração dos serviços mas não possui um hospital sequer. Houve nítida tentativa de se criar a falsa contradição entre uma suposta estrutura gigantesca e a ausência de prestação de serviços. Faltou dizer: existem 11 clínicas da família, outras duas em construção, três unidades básicas de saúde, uma clínica da mulher, um centro especializado no tratamento da hipertensão e diabetes, quatro residências terapêuticas, além da casa do idoso. Portanto, diferentemente do que a matéria tentar sugerir há sim uma grande rede de prestação de serviços ao cidadão, além obviamente da estrutura burocrática.

2) Por desinformação elementar ou mesmo má-fé, a repórter induziu ao erro o telespectador ao entrar numa clínica da família e perguntar se alí se presta serviço de emergência. Em todo país, clínicas da família são unidades voltadas ao atendimento ambulatorial com consultas agendadas.  Para tentar dar coerência a versão de que não há serviços de emergência na cidade, a repórter omite a informação de que a UPA instalada em Queimados se ocupa desta tarefa.

3) Diferentemente do que foi mostrado, o imóvel destinado a Secretaria de Saúde visa a unificar os serviços e a reduzir custos em aluguel e em todos os serviços de manutenção necessários.

4) A ocupação completa do prédio ainda não se deu pela necessidade de algumas obras de adaptação e pela morosidade com que Light procedeu as ligações para fornecimento de energia. Após reuniões e inúmeras solicitações desde de novembro do ano passado (protocolos em anexo), a empresa finalmente realizou o trabalho no último mês de junho. Imediatamente, o setor administrativo foi transferido e os demais o serão até o fim do mês.

5) Desde outubro do ano passado, o prédio abriga o arquivo geral e o setor de patrimônio da Saúde. Também ali estão provisoriamente depositados equipamentos e bens da futura maternidade, atualmente em obras.

Muito foi feito e muita mais haverá de se fazer  pela saúde pública em Queimados. Entretanto, o que foi mostrado nem de longe se aproxima da realidade.”

 

Além da desocupação do prédio da Prefeitura, a secretaria de saúde irá entregar os imóveis onde estavam instalados o Fundo Municipal de Saúde (FMS), o Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), a Vigilância em Saúde, a Vigilância Sanitária e o Conselho Municipal de Saúde.

A previsão é que todos os setores citados estejam em funcionamento pleno no galpão até agosto deste ano.

COMENTÁRIOS